Português Spanish France Italian English

DIÁLOGOS

DIÁLOGOS


 

DIÁLOGOS

Cuidado com seus pensamentos; eles podem se tornar palavras.

Cuidado com suas palavras, elas podem se tornar ações.

Cuidado com suas ações, elas podem se tornar hábitos.

Cuidado com seus hábitos, eles podem se tornar seu caráter.

Cuidado com seu caráter, ele pode se tornar seu destino.”

                                (Filme A Dama de Ferro)

Estou debruçada no umbral de proteção observando a maior cratera vulcânica plana do planeta. Ngorongoro – Tanzânia. Em um silêncio que não consigo descrever. Orando. Agradecendo a benção de estar aqui. Imaginando como seria este local há milhares de anos atrás. Vendo alguns minúsculos animais, dos milhares que ali habitam, se movimentarem lá embaixo.

- Iara, você gosta de viajar sozinha?

Aquela voz chega de longe, bem devagar. Levo uns segundos até me dar conta de que não estou só. Faço parte de um grupo de mais de dez pessoas. Olho ao lado, de onde a pergunta surgiu.

- Sim, gosto muito.

- Não se sente desconfortável? Um pouco perdida?

- Não. De forma alguma. É assim, que na verdade, me (re)encontro. Gosto muito da minha companhia. Os diálogos que estabeleço comigo são importantes para que eu possa, depois, dialogar com os Outros.

Prossigo.

- Dizem que para haver um diálogo é necessário, pelo menos, duas pessoas. Concordo com isto. Quando eu estabeleço diálogos comigo, são muitas as pessoas que dele participam. Disparate esta ideia? Olhe a quantidade de Eu’s que habitam um mesmo corpo: mulher, trabalhadora, filha, irmã, mãe, amiga, enfermeira, fotógrafa, escritora, leitora, diarista, cozinheira, viajante e tantas outras mais. O diálogo mais exercitado é o com a leitora, pois nesse, na verdade, converso com meus escritores sobre meus pensamentos. Filosofo com eles sobre as circunstâncias, dúvidas, que nos rodeiam neste planeta. Quando a pergunta fica no ar, ela vai direto para meu diário de bordo.      

- E aí, o que você faz com elas? Vai pesquisar?

- Claro que, em um primeiro momento, não! Se tornam excelentes espaços para conversas que estabeleço com as pessoas. Tipo círculo virtuoso, sabe? Dialogo com meus Eu’s, busco respostas, levo estas e as dúvidas remanescentes e dialogo com os Outros. Aí sim, rastreio livros e volto a conversar com minha pessoa.

O símbolo mais cristalino do ser pensante é a palavra. Nossos pensamentos dão origem a nossos diálogos que são (re)construídos por elas. Antes de me comunicar ou ser comunicado por outro ser, preciso entender e forjar a luz que me ilumina.

Preciso dialogar junto a mim e tecer meu dicionário, sem início, meio ou fim. Minha casa sem paredes. Minhas falas com meus  Eu's podem originar as velas que conduzirão meu barco aos meus destinos.